terça-feira, 26 de janeiro de 2010

A cultura do milho verde

  
Andrea Rocha Almeida de Moraes
  

milho (Zea mays L.) classificado como especial destina-se exclusivamente ao consumo humano. É utilizado principalmente como milho verde, tanto in natura como para processamento pelas indústrias deprodutos vegetais em conserva.

            A partir de 2003, a produção de milho verde passou a concentrar-se nos Estados de Minas Gerais(21,1% da produção nacional), São Paulo (20,1%), Goiás (18,7%), Paraná (7%), Rio Grande do Sul (7%) e Bahia (6%).

Hoje, o milho verde é considerado, por nutricionistas, um excelente alimento e, pela sua composição, pode ser consumido por todas as pessoas e em qualquer idade. Possui cerca de 1.290 calorias por kg; 3,3% de proteínas; 27,8% de glicídios e somente 0,8% de gordura. Além dos minerais, o milho verde é rico em vitaminas, em especial as do complexo B, muito importante para o bom funcionamento do sistema nervoso.

Estudos realizados na Espanha revelaram que o consumo de milho, associado a cerejas, aveia e vinho tinto, retarda os efeitos da idade no organismo. A razão seria que esses alimentos apresentam alto teor de melatonina, substancia produzida em pequenas quantidades pelo corpo, que tem propriedades antioxidantes e atrasa a degeneração. Além disso, o grão também contribui para adiar os processos inflamatórios naturais do envelhecimento, portanto, ajuda a manter o corpo jovem por mais tempo.

A cultura do milho verde sempre foi uma tradição no Brasil e se tornou uma alternativa de grande valor econômico para pequenos e médios agricultores em razão do bom preço de mercado e da demanda pelo produto in natura. O milho pode ser consumido cozido ou assado, na forma de curau, como suco e ingrediente para fabricação de bolo, biscoitos, sorvetes e pamonhas. O milho verde faz parte da culinária brasileira, originária dos índios que aqui sempre viveram.

            A exploração da cultura pode ser realizada durante o ano todo, utilizando-se irrigação. O escalonamento da produção, aliado a facilidade de transporte no interior do país e o desenvolvimento de técnicas agrícolas tem permitido um fluxo constante do produto para a comercialização.

A planta de milho pode ser aproveitada praticamente em sua totalidade. Após a comercialização dasespigas, os restos da planta podem ser aproveitados para posterior incorporação ou como cobertura do solo para plantio direto, ou ainda, sendo triturado para compor a silagem para a alimentação animal.

O mercado consumidor de milho verde tem se tornado cada vez mais exigente com relação à qualidade do produto. A crescente demanda somada a novos padrões de consumoresultantes do comportamento deum consumidor cada vez mais exigente, levou diversas empresas produtoras de sementes a desenvolvercultivares que atendessem às exigências do mercado consumidor.

Características comumente usadas para descrever a qualidade do milho verde in natura incluem sanidade, aparência, como também sua composição, que confere ao milho sabor e aroma característicos. Dentre estas, destacam-se concentração de amido, polissacarídeos solúveis em água, açúcares redutores e sacarose. Estas variam de acordo com o tipo de semente, condições climáticas e intimamente com o estágio de maturação, devendo ser investigadas, com umidade variando de 70 a 80%, para melhor recomendação ao produtor e aceitação do consumidor.

Atualmente, as principais características exigidas pelo mercado brasileiro para o milho verde são: grãos dentados amarelos, grãos uniformes, espigas longas e cilíndricas (espigas maiores que 15 cm de comprimento e 3 cm de diâmetro), sabugo fino e claro, boa granação, pericarpo delicado e bom empalhamento (espigas bem empalhadas de coloração verde intensa), boa produtividade, alta capacidade de produção de massa e baixa produção de bagaço, tolerância às principais pragas e doenças (Figuras 2 e 3).


Produção milho verde

Para a produção comercial de milho verde, são utilizadas práticas culturais normalmente adotadas na cultura do milho para a produção de grãos maduros (Figura 1). Sabe-se, entretanto, que quando a finalidade é a produção de milho verde, certas características devem ser consideradas. As espigas devem ser bem formadas, bem granadas e com boa condição sanitária (Figura 2).
 

Figura 1. Campo de milho verde na Fazenda Santa Eliza. Campinas, 2008/2009.

Figura 2. Genótipos idéias de espigas de milho verde (tamanho superior a 15 cm de comprimento e 3 cm diâmetro).

Figura 3. Diferentes genótipos de milho verde colhidos em diferentes épocas de maturação (acima aos 90 dias após o plantio; abaixo aos 96 dias após o plantio).

Cópia parcial do artigo original referenciado no final desta página

LITERATURA CONSULTADA

ALBUQUERQUE, C. J .B. Desempenho de híbridos de milho verde na região sul de Minas Gerais. 2005. 56p. Dissertação Mestrado (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2005.

ALVES, S. M. de F.; SILVA, A. E.; SERAPHIN, J. C.; VERA, R.; SOUZA, E. R. B., ROLIM, H. M. V.; XIMENES, P. A. Avaliação de cultivares de milho para processamento de pamonha. Pesquisa Agropecuária Tropical, Brasília, v. 34, n.1, p. 39-43, 2004.

ARAGÃO, C. A. Avaliação de híbridos simples braquíticos de milho super doce (Zea mays L.) portadores do gene shrunken--2 (sh2sh2) utilizando o esquema dialélico parcial. Botucatu, 2002, 101p. Tese (Doutorado). Faculdade de Ciências Agronômicas – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

BORIN, A. L. D. C. Extração, absorção e acúmulo de nutrientes no milho doce cultivado em condições de campo. Uberlândia, 2005. 97p. Tese (Mestrado). Universidade Federal de Viçosa.

BRAZ, R. F. Conservação pós-colheita de espigas de milho-verde em função do cultivar, datemperatura e da forma de acondicionamento. 2002. 54p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de ViçosaViçosa, 2002.

CALBO, A. G. Milho-verde (Zea mays L.). Disponível em:http://www.cnph.embrapa.br/laborato/pos_colheita/milho_verde.htm. Acesso em: 17 abril 2009.

FORNASIERI FILHO, D; CASTELLANE, P. D.; CIPOLLI, J. R. Efeito de cultivares e época desemeadura na produção de milho-verde. Horticultura brasileira, Brasília, v. 6, n. 1, p. 22-24, 1988.

GALLO, D., NAKANO, O., SILVEIRA NETO, S., CARVALHO, R.P.L., BATISTA, C.G. DE, BERTI FILHO, E., PARRA, J.R.P., ZUCCHI, R.A., ALVES, S.B., VENDRAMIM, J.D. Entomologia Agrícola. Piracicaba: FEALQ, 2002. 920p.

LEME, A. C. Avaliação e armazenamento de híbridos de milho-verde visando a produção depamonha. 2007. 124p. Dissertação (Mestrado em Ciências e Tecnologia de Alimentos) –Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), Piracicaba, 2007.

MARCOS, S. K.; HONORIO, S. L.; JORGE, J. T.; AVELAR, J. A. A. Influência do resfriamento do ambiente de armazenamento e da embalagem sobre o comportamento pós-colheita do milho verde. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 3, n. 1, p. 41-44, 1999.

NAKANO, O.; SILVEIRA NETO, S.; ZUCCHI, R.A. Entomologia econômica. São Paulo: Livroceres, 1981. 314 p.

OLIVEIRA JUNIOR, L. F. G.; DELIZA, R.; BRESSAN-SMITH, R.; PEREIRA, M. G.; CHIQUIERE, T. B. Seleção de genótipos de milho mais promissores para o consumo in natura. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v.26, n.1, p. 159-165, jan.-mar., 2006.

PAIVA JUNIOR, M. C. Desempenho de cultivares para a produção de milho verde em diferentes épocas e densidade de semeadura. 1999. 66p. Dissertação (Mestrado em Fitotecnia) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 1999.

PEREIRA FILHO, I. A. & CRUZ, J. C. Colheitatransporte e comercialização. In: PEREIRA FILHO, I.A. (Ed.). O cultivo do milho-verde. Brasília: Embrapa, 2003. cap.11, p.183-194.

PINTO, N. F. J. A.; OLIVEIRA, E.; FERNANDES, F. T. Manejo das Principais Doenças do Milho. Circular Técnica 92. Embrapa, Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007.

RODRIGUES, V. N. & PINHO, R. G. V. Produção de milho-verde. 32p. Apostila pdf, 1999.

SILVA, P. S. L. & PATERNIANI, E. Produtividade de “milho-verde” e grãos de cultivares de Zea mays L. Ciência e Cultura, v.38, p.707-712, 1986.

SILVA, P. S. L.; BARRETO, H. E. P. & SANTOS, M. X. Avaliação de cultivares de milho quanto ao rendimento de grãos verdes e secos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 32, n.1, p. 63- 69, 1997.

TEIXEIRA, F. F.; SOUZA, I. R. P.; GAMA, E. E. G.; PACHECO, C. A. P; PARENTONI, S. N.; SANTOS, M. X.; MEIRELLES, W. F. Avaliação da capacidade de combinação entre linhagens de milho doce. Ciênc. agrotécnica, Lavras, v.25, n.3, p.483-488, 2001.

TSAI, C. Y.; SALAMINI, F.; NELSON, O. E. Enzymes of carbohydrate metabolism in developing endosperm of maize. Plant Physiology, Bethesda, v. 46, n. 2, p. 299-336, 1970. 

Origem: Instituto Agronômico - www.iac.sp.gov.br

Andrea Rocha Almeida de Moraes possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1998) e mestrado em Agricultura Tropical e Subtropical pelo Instituto Agronômico de Campinas (2005). Atualmente é Pesquisadora Científica do Instituto Agronômico de Campinas, Centro de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Grãos e Fibras, atuando no Programa Milho do IAC e tendo como ramo de atividade específico a cultura do milho-verde. Tem experiência na área de agronomia, com ênfase em tecnologia de produção e melhoramento vegetal, atuando principalmente nas seguintes culturas: amendoim, milho e sorgo.


Reprodução autorizada desde que citado a autoria e a fonte

Dados para citação bibliográfica(ABNT):
MORAES, A.R.A. de  A cultura do milho verde. 2009. Artigo em Hypertexto. Disponível em: <http://www.infobibos.com/Artigos/2009_2/MilhoVerde/index.htm>. Acesso em: 26/1/2010

0 comentários:

Publicar um comentário

Arquivo

Marcadores

2012 (1) 3D (1) açafrão (1) ácido fítico (1) ácido graxo essencial (1) acrilamida (1) açúcar (1) aditivos (1) agave (2) agrotóxicos (1) Água (2) Aids (1) ALA (1) algas (6) alimentos funcionais (1) Aloé vera (1) André Abujamra (1) animal (1) anti-inflamatório (1) antibióticos (1) antigamente (1) aspirina (1) Atanor (1) atrazina (2) Auricularia polytricha (4) Bactéria ácido-lactica (1) bactérias (1) bebé (1) benefícios (1) BIOENERGIABIOELETRÔNICA (1) Biofótons (2) Black Fungus (1) Blending Foods (1) borragem (1) Brian Clement (1) butirato (1) Calories (1) cancer (2) câncer de pulmão (1) Cancro (4) cancro mama (4) Cannabis (2) Capsaicina (1) características (1) carbohydrates (1) Cardo Mariano (1) caril (1) carne (1) cenoura (1) cereais integrais (1) chá (1) Chia (2) Coca-Cola (1) colesterol (2) Colorpuntura (1) Coltan (1) comunicação (1) Consciousness (2) conspiração (1) crucíferas (1) Cura das Frutas (1) cúrcuma (1) curcumina (1) curry (1) DHA (1) Diabo na Cruz (1) Dieta Mediterrânica (1) Doença de Gaucher (1) doenças (1) Dr. Herbert M. Shelton (1) dr. mercola (1) drinking water (1) EM-4 (1) EM-5 (2) environment (3) enzimas (1) EPA (1) epilepsia (1) Esogetic Colorpuncture (1) Espiritualidade (1) estanóis (1) estrogen (1) estrógeno (1) etiquetas (1) farmaceutica (1) fermentação (1) fermentados (1) FESTIVAL DAS LARANJAS (1) filtração por membrana (2) fish (1) Fit for Lif (1) fitatos (3) Flora Intestinal (1) fluor (1) Fluoride (1) Fogo (1) food (1) food combining (1) funcionais (1) Gabriel Cousens (2) geleia real (1) germinação (1) Germinados (1) Germinando Sementes (1) glicidamina (1) Gorduras (1) Grains (1) grávida (1) gravidez (1) Gripe Suina (1) gripe suína (1) H1N1 (1) HAAs (1) Harvey Diamond (1) haxixe (1) Hidrocolonterapia (1) higiene (1) HORTELÃ (1) humor (1) infantil (1) ingestão (1) iodo (2) iogurte (1) isotiocianatos (1) kefir (1) kirlian (2) koumiss (1) lactose (1) Laser Biológico (1) leite (1) linhaça (1) lúcia lima (1) maçã (1) Macka B (1) Maconha (1) Madeira (1) maranto (1) marijuana (1) Meat (3) mel (1) METAIS TÓXICOS (1) Metal (1) Michael Beckwith (1) microalgas (1) microfiltração (1) Microflora (1) microrganismos (1) milho verde (1) Milk Thistle (1) minas Aromáticas Heterocíclicas (1) monsanto (3) Notícias (1) nutricionais (1) nutricionista (1) obesidade mórbida (1) Oestrogen (1) OGM (1) ômega 3 (2) oms (1) Orégano (1) Orégão (1) Pectina (1) Pesquisas Científicas (1) Phytoestrogen (1) Pimenta (2) Plant Estrogens (1) plantas (1) plantas medicinais (1) polen (1) poluição (1) polution (1) Pranav Mistry (1) pré-bióticos (1) probióticos (1) profiláticos (1) Progesterone (2) propolis (1) pure water (1) quinoa (1) quinua (1) Raw Food (2) repolho (1) ritos tibetanos (1) Rotulagem Alimentar (1) rótulos (1) Saúde (1) Saúde intestinal (1) Sementes (1) sida (1) simbióticos (1) soja (3) Solo (1) soy (1) steróis (1) stevia (1) sustentabilidade (1) Syngenta (1) taninos (2) Tecnologia (1) tília (1) Tom ReganLibertação Animal (1) Tony Samara (1) transgenicos (1) Transgénicos (1) tratamento (1) ultrafiltração (1) Urine Therapy (1) vegan (1) Vegetarianismo (1) verdura (1) Viagem Virtual (1) Video (1) Vitamins (1) w3 (1) water (1) XP Matrix (1)

Estatisticas

Acerca de mim

A minha fotografia

Luis Guerreiro
* Integrando a equipe de preparação dos vários Detoxes de Tony Samara - Portugal - 2009
* Consultor de Alimentação Viva do Spa Natural Alma Verde - Foz do Iguaçu-PR - Junho, Julho 2008.
* Apresentação de pratos vivos - 23º Congresso Internacional de Educação Física - FIEP 2008 - Foz do Iguaçu/PR
* Consultor e Árbitro da FDAP - Federação de Desportos Aquáticos do Paraná - Novembro de 2007 a Maio 2008 - Foz do Iguaçu-PR
* Criação do Instituto IDEIAS - Foz do Iguaçu - Outubro de 2007.
* Palestras de educação Nutriconal e Administração dos Serviços de Alimentação. - IPEC. Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado. Pirenópolis. Goiás.
Aula introdutória sobre alimentação e Nutrição para participantes do curso de Ecovilas e administração junto a uma equipe, dos serviços de alimentação fornecidos durante os sete dias de curso. Início: Outubro de 2007.
* Curso de Alimentação Viva- Restaurante Girassol - Ros Ellis Moraes (nutricionista) e Jacqueline Stefânia (nutricionista) - Agosto de 2007 - Brasilia-DF
* Palestras de educação Nutriconal e Administração dos Serviços de Alimentação.
IPEC - Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado. Pirenópolis. Goiás.
Actuação: Aula introdutória sobre alimentação e Nutrição para participantes do curso do SEBRAE e administração junto a uma equipe, dos serviços de alimentação fornecidos durante os sete dias de curso - Agosto de 2007. Com Jacqueline Stefânia (nutricionista)
* Administração dos Serviços de Alimentação.
IPEC - Instituto de Permacultura e Ecovilas do Cerrado. Pirenópolis. Goiás.
Atuação: Curso Bioconstruindo - administração junto a uma equipe, dos serviços de alimentação fornecidos durante os dias de curso.
BIOCONSTRUINDO - Julho 2007 - Com Jacqueline Stefânia (nutricionista)
* Palestra sobre Alimentação Viva - Maçonaria - Julho 2007 - Belo Horizonte-MG - Com Jacqueline Stefânia (nutricionista)
* Oficina de Alimentação Viva "Nutriviva" com a Nutricionista Jacqueline Stefânia Pereira e a professora de Hatha Yoga, Ana Virgínia de Azevedo e Souza - Junho 2007 - Belo Horizonte -MG
Ver o meu perfil completo

Seguidores